Somos...

Somos...
Rebele-se Contra o Racismo!

segunda-feira, 9 de junho de 2014

Civilizações africanas da Antiguidade: Egito e Núbia.

Segundo os arqueólogos, o vale do rio Nilo já era habitado desde o Paleolítico, ou seja, entre 3 milhões e 100 mil anos atrás. Muitos séculos depois, em torno do 7º milênio a.C., a agricultura e o pastoreio já eram praticados no delta do rio Nilo, e progressivamente se expandiram em direção ao sul, seguindo as margens desse rio.

A partir do 5º milênio a.C., com o processo de formação do deserto do Saara, vários povos nômades e seminômades, do norte da África e do Oriente Médio, buscaram as margens do rio Nilo para ali se fixarem.

Esses migrantes se misturaram com os povos locais e fundaram aldeias tanto no Alto Nilo (ao sul), quanto no Baixo Nilo (ao norte). Em algum momento (ainda não se sabe quando), essas aldeias se unificaram, formando pequenas cidades independentes.

Até então existia certa identidade cultural entre as várias cidades ao longo do vale do Nilo, devido a suas origens comuns e suas relações comerciais. Com o passar do tempo, o processo de centralização política se acelerou na região do Baixo Nilo, até que, em torno de 3100 a.C., um rei chamado Menés unificou toda a região, tornando-se o primeiro faraó de uma das mais antigas civilizações: o Egito



Enquanto isso, ao sul, pequenos reinos se mantiveram independentes e formaram a civilização Núbia. A fronteira entre as duas civilizações ficava próxima da primeira catarata do Nilo; e a mais importante cidade núbia era Siene (atual Assuan), um rico centro comercial.

Sabemos pouco sobre como os núbios se organizavam ou o que pensavam sobre eles mesmos, já que não desenvolveram a escrita. Mas os egípcios deixaram muitos documentos que demonstram a importância da Núbia.

Os núbios praticavam a agricultura e o pastoreio às margens do Nilo, e desenvolveram uma sofisticada cerâmica. As riquezas da Núbia, como o ouro, o ébano, o marfim, atraíam a atenção dos egípcios, que desde a 1ª Dinastia já travavam guerras com os núbios.

Os conflitos entre o Egito e a Núbia ocorreram por séculos, sendo a Núbia uma poderosa rival do Egito. Muitas muralhas foram construídas pelos egípcios na fronteira com a Núbia, o que prova que não só o Egito queria controlar as riquezas da Núbia, mas que os núbios também atacavam o território egípcio.

Foi somente durante a 18ª Dinastia egípcia (século 15 a.C.) que a Núbia foi ocupada pelos

egípcios, tornando-se um vice-reino. A partir de então a cultura núbia passou a sofrer forte influência egípcia: a escrita hieroglífica, os deuses e os costumes egípcios foram impostos à Núbia.

Se liga:

"TIYE A Rainha Núbia do Egito (1415 - 1340 A.C.) No 14º século A.C., uma mulher sábia e bonita de Nubia capturou o coração do faraó, e assim ela mudou o curso da história. Amenhotep III, jovem dirigente egípcio, foi tão levado pela beleza, intelecto e vontade de Tiye,
que ele desafiou os sacerdotes e os costumes de sua nação, proclamando esta cidadã de Nubia como sua grande Cônjuge Real. Ele expressou publicamente de várias maneiras seu amor por sua linda rainha negra, fazendo dela uma pessoa célebre e rica em seus próprios direitos. Ele tomava vários conselhos dela em assuntos políticos e militares e depois declarou que, como ele tinha a tratado em vida, assim ela deveria ser descrita na morte, a sua igualdade."

"TAHARQARei de Nubia (710 - 664 A.C.) Com dezesseis anos, este grande Rei de Nubia conduziu seus exércitos contra os assírios que invadiam seu aliado, Israel. Esta ação lhe deu um lugar na Bíblia (Isaias 37:9, 2 Reis 19:9). Durante os 25 anos de seu reinado, Taharqa controlou o maior império da África antiga. Seu poder só foi igualado pelos assírios. Estas duas forças sempre estavam em conflito, mas apesar da guerra contínua, Taharqa pôde iniciar um programa de construção ao longo do império que estava
subjugando em extensão. Os números e a majestade de seus projetos eram legendários, com o maior sendo o templo a Gebel Barkal no Sudão. O templo foi escavado da pedra viva e enfeitado com imagens de Taharqa com mais de 100 pés de altura."


Um afro abraço.

fonte:www.chabad.org.br/biblioteca

Nenhum comentário:

Postar um comentário