Somos...

Somos...
Rebele-se Contra o Racismo!

domingo, 25 de maio de 2014

Há uma sensação de normalidade na Comissão de Direitos Humanos :

Vivemos o preconceito moderno, infelizmente...
O sentido da política é a liberdade? A pergunta sobre o sentido da política resulta de duas experiências: as formas totalitárias de Estado e o desenvolvimento das possibilidades de destruição, cujo monopólio o Estado detêm. 


Nas formas totalitárias de Estado toda a vida dos homens foi politizada; assim a liberdade não mais existia. No pensamento totalitário o homem não deve obstruir o fluxo da história; através da coação, do terror, das pressões ideológicas, a abolição da liberdade é alcançada.

Discriminação* (distinção) de grupos foi uma característica muito importante na evolução da vida em grupo. Não é nenhuma novidade que tanto grupos de animais sociais não-humanos quanto grupos humanos identificam dois grupos sociais: o ”nós” e os “outros” (em psicologia evolutiva chamados “insider” e “outsider group”). Não surpreendentemente, “bárbaro” era o nome dado pelos gregos aos que não eram gregos. “Bárbaros” significa “os outros”. Da mesma forma, “tapuia” era o nome dado pelos Tupis a quem não era Tupi. Tapuia é a versão tupi de “os outros”. Também não surpreendentemente, bárbaros e tapuias recebiam significados pejorativos. “Os outros” não são somente os outros, eles geralmente são também os inimigos. Os outros não são “civilizados”, os outros não têm nossos costumes, os outros são violentos, os outros são maus, os outros não seguem nossos deuses (que são os únicos verdadeiros), os outros tem comportamentos estranhos que não são os nossos, os outros nos trazem doenças, os outros comem nossa comida, os outros nos matam, os outros merecem ser combatidos. Em suma, o inferno são os outros.

Entretanto essa discriminação de grupos “nós” e “os outros”, presente nos animais que vivem em grupo, não exatamente corresponde ao preconceito humano. O preconceito humano evoluiu em função da vida social permitindo um maior sucesso na sobrevivência ao conseguir comida, água e abrigo (nada surpreendente até agora), mas foi carregado de particularidades humanas como religião e aspectos culturais e de dominação.Enfim o preconceito é uma decisão moral pré-concebida. Surge antes de se investigar e, certamente, muito antes de se analisar o ponto em questão. Sendo assim, sempre está carregada de conotações negativas. Geralmente os mais preconceituosos são indivíduos inseguros, aqueles que têm medo de perder sua posição e que têm "incerteza" acerca de seu "status" na sociedade...


Se liga:
Discriminação. Tenha em mente que discriminar também significa distinguir. A evolução dos preconceitos segue a mesma lógica do desenvolvimento dos significados da palavra “discriminação”: Primeiramente, distinção de grupos; segregação , preconceito institucionalizado.

É desconfortável saber desse anseio, mas depois fica parecendo que, numa situação como essa, até os constrangimentos acabou perdendo força.  

Sabe-se que os dois integram a turma de oportunistas do Congresso. Protegem-se no pretexto de que são moralistas ou religiosos para atacar gays, negros, índios e tudo o que consideram inferior ou anormal.      Bolsonaro e Feliciano estão incorporando seus modos à normalidade brasileira e debochando de todos nós. Um substitui o outro onde nunca deveriam estar. São representantes dos preconceitos mais rasteiros e ainda se apoderam de uma comissão que, em vez de acolhê-los, deveria enquadrá-los como aberrações morais.
Essa é a nossa normalidade. Os dois juntaram-se a outras formas de pilantragem na política para vender o marketing de que combatem o diabo em todas as suas manifestações. Bolsonaro e Feliciano são os legisladores antidemônio.

Você, que vai à missa, respeita as religiões alheias e separa fé de falcatrua, é claro que não acredita em nenhum dos dois. Mas você sabe que seu vizinho acredita, que uma tia adora Bolsonaro e um sobrinho admira o Feliciano.
A Espanha tem um partido neofranquista, a Grécia convive com seu similar. 


No Brasil, a direita se reorganiza a partir dos esforços para reenquadrar costumes. Foi o que sobrou para os seguidores dos Bolsonaros e dos Felicianos. Perseguir índios, negros, gays e mulheres de minissaia.     Essa dupla é o subproduto de uma direita que existiu até algum tempo, com alguma consistência ideológica. Sobrou uma feroz ignorância. Os dois são empobrecedores de qualquer reflexão entre o que possa ser progressista e atrasado, direita e esquerda, civilizado ou primitivo.

E por que existem os Bolsonaros e os Felicianos e por que devemos nos preocupar com eles? Porque a direita bem nascida perdeu o charme e teve o espaço ocupado por figuras da terceira divisão do reacionarismo. Os eleitores de Bolsonaro e Feliciano não estão apenas nas chamadas classes populares. Os dois acolhem órfãos da classe média desamparada, que votam constrangidos no que têm à mão.  Bolsonaro e Feliciano são figuras medievais e ocupam postos importantes no Congresso porque isso passou a ser a nossa normalidade. Na política, os dois são guardiões do que devemos seguir como norma.
Só não brinque com o poder de destruição dessa gente. Um e outro são inspiradores das atitudes dos que saem às ruas e, em nome da pregação absolutista, espancam gays e prostitutas. Se não é possível curar, como Feliciano deseja, que se eliminem os homossexuais.

Até o secretário-geral da ONU entrou no debate, considerando a violência que se manifesta em toda parte e pode aparecer com força nas Olimpíadas de Inverno na Rússia. Lá, as leis determinadas pela turma de Putin vão punir tudo o que genericamente for considerado “propaganda homossexual”. Ban Ki-moon quer uma vigilância mundial contra a homofobia.
O Congresso brasileiro não deve estar nem aí para apelos da ONU.

Algumas das muitas declarações sobre racismo...
Em março de 2011, Feliciano postou em sua conta na rede social Twitter frases que foram consideradas racistas por vários setores da sociedade, ao dizer: "Africanos descendem de ancestral amaldiçoado por Noé. Isso é fato. O motivo da maldição é a polemica (sic). Não sejam irresponsáveis twitters. [...] A maldição que Noé lança sobre seu neto, canaã, respinga sobre continente africano, daí a fome, pestes, doenças, guerras étnicas!" (Feliciano defende uma das vertentes teológicas que afirma que os povos africanos negros vivem sob a chamada "Maldição de Cam", descrita no livro Gênesis da Bíblia e interpretada de várias maneiras, e de que essa seria a causa dos problemas sócio-econômicos e políticos enfrentados pelo continente africano). Para Roberlei Panasiewicz, teólogo da Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais, a afirmação de Feliciano é fundamentalista"

Algumas bandeiras políticas:
Projeto contra as cotas raciais...
Em 2006, como forma de protesto contra a formulação de políticas de cotas raciais nas universidades públicas, o deputado apresentou um projeto de lei complementar na Câmara dos Deputados, propondo o estabelecimento de cotas para deputados negros e pardos. Bolsonaro admitiu em seguida que, se o projeto fosse à votação, seria contra ele.

Defesa da pena de morte...

Em várias entrevistas, Bolsonaro se posicionou favoravelmente à instituição da pena de morte no Brasil para casos de crimes premeditados pois, segundo ele, "o bandido, ele só respeita o que ele teme". Também é a favor da redução da maioridade penal e em 2008, foi o único deputado do Rio de Janeiro a votar contra o projeto de lei para ampliar o uso de armas não-letais, justificando que esse tipo de recurso já é utilizado.

Mas o cenário está completo? Você, que não aguenta mais ficar sem luz, sem ônibus e sem água, sabe que ainda vai piorar. Bolsonaro e Feliciano podem ser os deputados mais votados nas eleições de outubro. Mais eu creio que o povo pode curar este pessimismo...

Eu conheço  políticos evangélicos que não distorcem as coisas e nós da UNEGRO temos  evangélicos entre seu quadros de militantes e também parlamentares ,  é certo que  o parlamentar é eleito para  representar mais do que um segmento politico que o elegeu mais deve se lembrar que ele é servidor do povo brasileiro e  de todos os contribuintes porque nós pagamos o seu salario e todas as sua regalias e quando falamos de Cultura,Religião, falamos de Direito de LIBERDADE...

Gente   ou o povo é cego ou é burro!


Eu fui interna em um colégio de freiras (irmãos franciscanas alcantarinas) e estudei muito a bíblia e estudei que Lúcifer , se rebelou contra o Senhor teu deus...( embora bem e agora tenha certeza que a ciência  também é o caminho para a atividade e evolução)

...Estas são questões metafóricas, mas vale á pena juntar-se aos grupos que lutam por um mundo melhor, e se rebelar eticamente contra quem usa as religiões que desejam podar o ser humano castrando nossa mentalidade anestesiando nosso potencial.

... Vale á pena pensar por conta própria e dizer NÃO, oras, e não foi isso o que Lúcifer fez? Pedófilos, assassinos, ladrões, etc... Todos esses seres do mau, se acham no direito e se julgam um dos maiores libertadores, fazem isso para encobrir o próprio mau que há dentro de si mesmo, o mau está ai, quem não se rebelar contra o mau , viverá tal como uma ovelha que obedece e perde perdão por falta de coragem e vergonha para enfrentar os próprios demônios com a moral de um ser humano... 

...Um inimigo somente pode tornar-se inimigo quando já foi um amigo, há de ter alguma relação entre as partes, caso contrário, jamais acontecerá inimizades.

... Se um dia foi amigo, houve concordância, e se houve discordância foram por motivos corretos! 
Quem é o Herói? 
Quem esta certo?
Agora me pergunto que é o Santo?

Quem é o Demônio?

- Vocês entenderam a metáfora?...

... Aquele que aprisiona seus cordeiros, ou aquele que liberta e diz para fazer e viver pensando por conta própria?

Um afro abraço.


Claudia Vitalino.
(obs: eu não sou candidata)

fonte:wp.clicrbs.com.br/.../2014/Wikipédia, a enciclopédia livre

Nenhum comentário:

Postar um comentário