Somos...

Somos...
Rebele-se Contra o Racismo!

quinta-feira, 21 de abril de 2011

Nosso Jesus de Cada Dia








Mito do Jesus Europeu

O mito de que Jesus tinha cabelos loiros e olhos azuis, pode ser derrubado por um computador, que recriou a imagem de Cristo baseada em descrições de especialistas. A imagem gerada mostra um homem com cabelo escuro, quase negro, e olhos castanhos. A peça foi desenvolvida por cientistas para um documentário sobre a vida de Jesus, produzido pela rede inglesa BBC.


O produtor do programa de US$ 2 milhões, Jeremy Bowen, afirma que o resultado obtido pelo computador é fantástico. "Finalmente conseguiremos provar que Cristo tinha pele clara, mas se parecia mais com os judeus do leste do que com os ocidentais, como sempre é desenhado", disse.

Os cientistas criaram a imagem a partir do osso da testa de um homem morto na mesma época que Cristo em Jerusalém. Gradualmente, pedaço por pedaço, eles recriaram os músculos e expressões da face.

A Igreja Católica mais uma vez é ridicularizada pela comprovação dos fatos e pela ciência moderna, assim foi com Galileu quando o Papa ordenou sob pena de morte pela fogueira que este cientista negasse que a terra era redonda e ainda girava, e muitos outros erros, pois o mito de que Jesus tinha olhos azuis, cabelos loiros e rosto meigamente feminino saiu da fabrica de invenções chamada Vaticano, o Cristo Loiro, foi uma invenção desta igreja para 'agradar ' os nobres europeus que são os que trazem em seus rostos estas feições e também para distanciar Jesus Cristo dos negros e da miscigenação (cruzamento entre raças) que eram escravos e discriminados pela Igreja Católica que consentia calada com o tráfico de negros, assim como Ellen G White, a profeta dos Adventistas deixou em seus escritos sua aversão pela miscigenação e pelos negros. Parece que esta profetisa que tanto atacou a Igreja Católica estava de mãos dadas a ela neste aspecto. Esperamos que no mínimo a Igreja Católica, assim como se retratou ao mundo pelos erros cometidos contra a humanidade, este pecado não fique impune, e se retrate também, e que os Adventistas sigam este exemplo.

Sempre ensinei que Jesus Cristo tinha em sua pele a união do branco com o negro , ou seja, Jesus veio para os Brancos e para os Negros," o qual de ambos fez um, quebrando toda a barreira da separação...e reconciliasse ambos em um só corpo " Efésios 2:14 ao 18

" Como pasmavam muitos à vista d'Ele...Porque foi subindo como renovo perante ele, e como raiz duma terra seca, não tinha aparência nem formosura, olhamo-lo , mas nenhuma beleza havia que nos agradasse " Isaías 52:14, 53:2


Por que Jesus Cristo não era negro?


Para responder à pergunta acima não precisa ir muito longe, basta olharmos um pouco a história dos deuses em algumas diferentes culturas e veremos que todos deles foram criados à partir das próprias características físicas da população predominante, além, de serem moldados de acordo com as vicissitudes e idiossincrasias da época. Freud dá uma boa explicação para essa gênese .


Se começarmos nas geleiras dos países nórdicos, veremos que Thor, Odin e seus comparsas, cada com suas peculiaridades, sustentavam grandes barbas brancas, cabelos louros ou vermelhos. Eram todos dotados com boas proporções de massa corporal, típicas dos povos nórdicos para suportarem o frio.




Se irmos até a África, veremos que os deuses são negros; Oxalá, Nanâ, Oxum, Ogum, Exu, etc. Suas vestes se caracterizam em cores exuberantes e fartura de tecidos, além de adornamentos pelo corpo, como grandes correntes e brincos, típicamente dos povos africanos.


Se irmos até a Índia e batermos continência a Vishnu, Kali, Shiva, Ganesha, etc; veremos que a cor de pele varia do branco a intensidades mais escuras, mostrando a grande miscigenação do país; além, de todos eles serem adornados com brincos e correntes típicas dos indianos. A face muitas vezes é retratada na figura de um animal, como por exemplo, Ganesha que tem o rosto de um elefante, animal comum na região indiana.


No mundo Ocidental o Universo gira em torno de Deus, o Pai, na qual as pessoas não sabem como seria sua face ou corpo, imaginam, talvez, um velho de barba grande e de rosto sincero. Encontramos ainda, o Espírito Santo, que menos ainda as pessoas sabem como representá-lo, a não ser na imagem de um espírito que também não tem definição, pois é invisível e só podemos sentí-lo através do “coração”, como se este órgão tivesse a função de sentir além de bombear o sangue para o corpo. E claro, finalmente, o nosso grande amigo Jesus Cristo, grafado com seu semblante de piedade e sofrimento eternizado na cruz.


Os cristãos dizem que não podemos saber como é Jesus pois ninguém jamais o viu em corporificação – admiro os cristãos nesse ponto. Já os católicos conhecem o Jesus Cristo imortalizado na imagem da cruz.


Como Jesus Cristo por algum acaso – suponhando que ele existiu – nasceu em berço ocidental, no seio de uma população predominantemente branca, numa época em que os negros (e não só os negros) nada mais eram para os romanos do que escravos, nada mais justo do que ser também, um representante de cor branca, assim como a Bíblia parece desconhecer os negros


Finalizo dizendo que esta imagem não é de Jesus Cristo, pois nem computador nem a mente humana conseguiriam descrever como Ele seria realmente. Esta imagem gerada por computador a partir de um osso da testa de um homem morto na mesma época de Jesus, que nos dá uma a proximidade quase que exata de como eram os Judeus naquela época, nos serve de base para desmistificar o Cristo racista e preconceituoso que existia. Deverá ser dura para os racistas aceitar a idéia de ter um salvador quase negro.


Matriz Africana em muitos rostos...


O cristianismo, mesmo firmando-se como de origem divina, é historicamente de matriz africana. No mundo do Velho Testamento as raízes bíblicas da fé judaica tem uma relação em separável dos etíopes. Que no contexto da época não significava um morador da Etiópia. O termo “etíope”não somente se referia aos habitantes daquela terra antiga, mas também aos povos de pele escura ao redor de todo o globo. Essa relação continuou por muito tempo resultando os judeus falasha etíopes. A maior parte dos etíopes traçam as suas raízes à rainha de Sabá e ao rei Salomão. José se casou com uma mulher etíope (Gênesis 41:50-52), e os seus dois filhos (Manassés e Efraim) se tornaram líderes de tribos judaicas. Jetro, um etíope, foi o principal conselheiro de Moisés (Êxodo 18:1-12). Moisés se casou com uma mulher etíope (Números 12:1). Os israelitas não foram proibidos de se casarem com mulheres cusitas/etíopes (Êxodo 34:11,16). Jeudi (Jeudi significa judeu), um secretário na corte do rei durante o tempo de Jeremias, era um descendente de Cusi/Etiópia (Jeremias 36:14, 21, 23). O nome do avô de Jeudi (Cusi) literalmente significa “preto”. “Cusi” se refere a uma pessoa de descendência africana. Sofonias, o profeta, era também um descendente de Cusi (Sofonias 1:1). Há diversas passagens no Velho Testamento que traça um relacionamento único entre Deus e o povo etíope o povo negro.


O Novo Testamento, há ampla informação que nos ajuda a pensar na matriz africana do cristianismo. Desde os magos que vieram adorar o menino Jesus que são apresentados como etíopes (Mateus 2:1-12), a Simão o Zelote como um apóstolo negro, os cananitas eram descendentes de Cam ( Mateus 10:4). Simão de Cirene ajudou Jesus a carregar a sua cruz (Mateus 15:21). Cirene era um país da África do Norte. Os cirênios repartiram o evangelho com os gregos, filhos de Jafé (Atos 11:20). O eunuco etíope estava lendo uma Bíblia judaica em uma província romana quando o Espírito do Senhor guiou um homem grego a pregar Jesus para ele (Atos 8:26-39). Apolo (Atos 18:24), um nativo da terra de Cam, foi um eloqüente pregador e líder na igreja de Éfeso e em Corinto. Os países dos descendentes de Cam foram representados no Pentecostes (Atos 2:10,11). Simeão o Negro e Lúcio de Cirene foram líderes na igreja de Antioquia (Atos 13:1). Onde os crentes foram, pela primeira vez, chamados cristãos. (Atos 11:26). Os Sírios eram negros. Foi na Antioquia da Síria que Lúcio e Simeão ordenaram e comissionaram o apóstolo Paulo para o ministério do evangelho (Atos 13:2,3). A tarefa de Paulo era levar o evangelho para a Europa.

Ministério CACP/-cristianismo-e-africano/pastor-africano/Hernani Francisco da Silva

Nenhum comentário:

Postar um comentário