Somos...

Somos...
Rebele-se Contra o Racismo!

quinta-feira, 8 de dezembro de 2016

Curiosidade: Onde a população são 'naturalmente loiros'

Nas Ilhas Salomão, um país localizado na no Oceano Pacífico, cerca de 10% da população nativa, de pele negra, tem cabelo naturalmente loiro. Esse fato derruba qualquer noção simplória que temos sobre raça, pois existem muitos meandros e particularidades que a ciência vai descobrindo aos poucos.

Pesquisadores das universidades de Stanford, de Bristol, da UC San Francisco e do Instituto Max Planck de Antropologia Evolucionária acabam de publicar um relatório na revista Science com uma conclusão, no mínimo, surpreendente: o cabelo loiro de alguns habitantes da Melanésia, na Oceania, é uma variação natural. Antes, os cientistas acreditavam que tal fenômeno se dava por algum fator externo, como exposição ao sol ou uma dieta rica em peixe, comum na região.

Os visitantes do arquipélago costumam supor que os cabelos claros dos nativos melanésios resultaram de mestiçagens antigas com comerciantes europeus, enquanto os locais costumam atribuir seus cachos dourados a uma dieta rica em peixe ou à exposição constante ao sol.

Essas hipóteses, no entanto, foram derrubadas por pesquisadores da Universidade Stanford, nos Estados Unidos, que descobriram que a variante genética responsável pelo cabelo loiro dos insulares é diferente da que causa a mesma característica nos europeus.

A razão pela qual parte dos insulares são loiros seria puramente genética: um gene denominado TYRP1, que os nativos das Ilhas Salomão possuem, mas os europeus não.

“Sendo assim, a característica humana do cabelo loiro surgiu de forma independente na Oceania Equatorial. Isto é inesperado e fascinante”, afirmou o principal autor do estudo, Eimear Kenny, aluno de pós-doutorado da Universidade de Stanford, na Califórnia.

Os cientistas ganharam a confiança de um líder local e coletaram dados de mil pessoas, inclusive sobre cor dos cabelos e dos olhos, pressão sanguínea, altura e peso, bem como

amostras de saliva para exames de DNA.

As análises laboratoriais em amostras de 43 nativos de cabelos loiros e 42 de cabelos escuros começaram em setembro de 2010 e “no prazo de uma semana, tivemos nosso resultado inicial”, afirmou Kenny.

“A seta apontou de forma tão contundente para um único gene, que seria possível pendurar o chapéu nela. Isto raramente acontece com a ciência”, acrescentou.

A ideia de estudar a genética da população foi do co-autor do estudo, Sean Myles, um ex-aluno de pós-doutorado de Stanford, que agora é professor assistente da Nova Scotia Agricultural College, após uma viagem às ilhas em 2004.

“Cabelos loiros, portanto, surgiram pelo menos duas vezes durante a evolução humana: uma vez nos ancestrais europeus e outra vez no extremo oposto da terra, nos ancestrais melanésios. Isso representa um fascinante exemplo de evolução convergente: quando o mesmo resultado (cabelo loiro) é realizado por diferentes meios (variantes genéticas independentes)", frisa o professor da Dalhousie University.

“Eles têm a pele muito escura e o cabelo loiro. É intrigante”, disse Myles.

Carlos Bustamante, outro co-autor da pesquisa, professor de genética em Stanford, aponta para a necessidade de se investigar mais os genomas de populações pouco estudadas.

“Uma vez que a maioria dos estudos sobre genética humana inclui apenas participantes de origem europeia, podemos ter uma visão muito tendenciosa de quais genes e mutações influenciam os traços que investigamos”, explicou Bustamante".

Se liga:Nós humanos somos lindamente diferentes e com particularidades únicas, e isso é apenas a ponta do iceberg na genética das raças.

Um afro abraço.

fonte:www.pragmatismopolitico.com.br/www.revistaafro.com.br.

Nenhum comentário:

Postar um comentário