Somos...

Somos...
Rebele-se Contra o Racismo!

terça-feira, 15 de julho de 2014

Um conto afro brasileiro:O Negrinho do Pastoreio

Fábula - é uma narrativa curta que traz uma reflexão sobre os valores humanos, onde os animais são os personagens principais e os seres humanos podem não estar presentes na história. Na fábula os animais falam, pensam e agem como seres humanos. O objetivo da fábula é transmitir um ensinamento, criticar uma determinada maneira de agir e de se comportar com o outro. Por isso, a fábula sempre termina com uma lição de moral.
A lenda é ser oral. Não se conhece o autor dessas narrativas. É cultura popular. Isso explica o porquê de existir várias versões para uma mesma história contada em lugares diferentes. No Brasil, de norte a sul, há muitas lendas, cada qual com sua tônica regional. São lendas de origem africana, indígena e portuguesa. Assim, os costumes, valores e cultura de um povo, podem ser estudados através da análise de suas lendas. Com base nessas leituras, podemos conhecer diferentes visões de mundo que mantém viva a tradição dos povos.


Lenda
 É uma narrativa baseada na tradição oral e de caráter maravilhoso, cujo argumento é tirado da tradição de um dado lugar. Sendo assim, relata os acontecimentos numa mistura entre referenciais históricos e imaginários. A lenda tem caráter anônimo e, geralmente, está marcado por um profundo sentimento de fatalidade. Tal sentimento é importante, porque fixa a presença do DESTINO, aquilo contra o que não se pode lutar e demostra o pensamento humano dominado pela força do desconhecido. O folclore brasileiro é rico em lendas regionais. Destacam-se entre as lendas brasileiras por exemplo:

O Negrinho do Pastoreio
É uma lenda meio africana meio cristã. Muito contada no final do século passado pelos brasileiros que defendiam o fim da escravidão. É muito popular no sul do Brasil.

O Negrinho do Pastoreio é uma lenda meio africana meio cristã. Muito contada no final do

século passado pelos brasileiros que defendiam o fim da escravidão. É muito popular no sul do Brasil.
Naquele tempo os campos ainda eram abertos, não havia entre eles nem divisas nem cercas; somente nas volteadas se apanhava a gadaria chucra, e os veados e os avestruzes corriam sem empecilho..

Nos tempos da escravidão, havia um estancieiro malvado com negros e peões. Num dia de inverno, fazia um frio de rachar e o fazendeiro mandou que um menino negro de quatorze anos fosse pastorear cavalos e potros que acabara de comprar. No final da tarde, quando o menino voltou, o estancieiro disse que faltava um cavalo baio. Pegou o chicote e deu uma surra tão grande no menino que ele ficou sangrando.

"Você vai me dar conta do baio, ou verá o que acontece", disse o malvado patrão. Aflito, ele foi à procura do animal. Em pouco tempo, achou ele pastando. Laçou-o, mas a corda se partiu e o cavalo fugiu de novo.

Na volta à estância, o patrão, ainda mais irritado, espancou o garoto e o amarrou, totalmente despido, sobre um formigueiro. No dia seguinte, quando ele foi ver o estado de sua vítima, tomou um susto. O menino estava lá, mas de pé, com a pele lisa, sem nenhuma marca das chicotadas.

Ao lado dele, a Virgem Nossa Senhora, e mais adiante o baio e os outros cavalos. O

estancieiro se jogou no chão pedindo perdão, mas o negrinho nada respondeu. Apenas beijou a mão da Santa, montou no baio e partiu conduzindo a tropilha.

E depois disso, entre os andantes e posteiros, tropeiros, mascates e carreteiros da região, todos davam a notícia de ter visto passar, como levada em pastoreio, uma tropilha de tordilhos, tocada por um Negrinho, montado em um cavalo baio.
Então, muitos acenderam velas e rezaram um Padre-Nosso pela alma do judiado. Daí por diante, quando qualquer cristão perdia uma coisa, o que fosse, pela noite o Negrinho campeava e achava. Mas ele só entregava a quem acendesse uma vela, cuja luz ele levava para pagar a do altar de sua madrinha, a Virgem Nossa Senhora, que o livrou do cativeiro e deu-lhe uma tropilha, que ele conduz e pastoreia, sem ninguém ver. 

Desde então, e ainda hoje, conduzindo o seu pastoreio, o Negrinho, sarado e risonho, cruza os campos. Ele anda sempre a procura dos objetos perdidos, pondo-os de jeito a serem achados pelos seus donos, quando estes acendem um coto de vela, cuja luz ele leva para o altar da santa que é sua madrinha.

A lenda:
Quem perder coisas no campo, deve acender uma vela junto de algum mourão ou sob os ramos das árvores, para o Negrinho do pastoreio, e vá lhe dizendo:
Foi por aí que eu perdi... 
Foi por aí que eu perdi... 
Foi por aí que eu perdi...". Se ele não achar, ninguém mais acha.
Um afro abraço.

Origem: Fim do Século XIX, Rio Grande do Sul

Nenhum comentário:

Postar um comentário