UNEGRO - União de Negras e Negros Pela Igualdade. Esta organizada em de 26 estados brasileiros, e tornou-se uma referência internacional e tem cerca de mais de 12 mil filiados em todo o país. A UNEGRO DO BRASIL fundada em 14 de julho de 1988, em Salvador, por um grupo de militantes do movimento negro para articular a luta contra o racismo, a luta de classes e combater as desigualdades. Hoje,rumo aos 30 anos de caminhada continua jovem atuante e combatente... Aqui as ações da UNEGRO-RJ

segunda-feira, 4 de dezembro de 2017

Samba, Racismo e Identidade

A construção da identidade negra através da cultura africana, a origem do samba, o surgimento das escolas de samba X Candomblé e umbanda e nesta construção da identidade para a população negra é uma questão delicada. Mais do que ocupar os piores cargos e ser as principais vítimas de homicídio, a representação midiática negra alimenta os já perpetuados estereótipos de criminoso, vagabundo e promíscuo. Frente a esse quadro de possibilidades de espelho, quem vai querer se identificar enquanto negra/o? A representatividade positiva é fundamental para que as pessoas se definam e se reconheçam enquanto afrodescendentes

O samba é uma dança animada com um ritmo forte e característico. 
Originou da África e foi levado para a Bahia pelos escravos enviados para trabalhar nas plantações de açúcar. A dança gradualmente perdeu sua natureza ritualista e eventualmente se tornou a dança nacional brasileira. Na época de carnaval no Rio de Janeiro que colocou o samba no mapa ocidental, os baianos das plantações de açucar viajavam das aldeias até o Rio para as festas anuais. Gradualmente a batida sutil e a nuança interpretativa do samba levavam-nos rua acima dançando nos cafés e eventualmente até nos salões de baile, tornou-se a alma dança do Brasil.

-"Da mesma forma que o jazz nos Estados Unidos e a salsa (derivada do mambo e da rumba) em muitos dos países caribenhos, o samba é indiscutivelmente o gênero musical que confere identidade ao Brasil".

Nascido da influência de ritmos africanos para cá transplantados, sincretizados e adaptados, foi sofrendo inúmeras modificações por contingências das mais diversas – econômicas, sociais, culturais e musicais – até chegar no ritmo que conhecemos. E a história é mais ou menos a mesma para os similares caribenho e americano. Simbolizando primeiramente a dança para anos mais tarde se transformar em composição musical, o samba – antes
denominado “semba” – foi também chamado de umbigada, batuque, dança de roda, lundu, chula, maxixe, batucada e partido alto, entre outros, muitos deles convivendo simultaneamente! Do ritual coletivo de herança africana, aparecido principalmente na Bahia, ao gênero musical urbano, surgido no Rio de Janeiro no início do século XX, muitos foram os caminhos percorridos pelo samba, que esteve em gestação durante pelo menos meio século.

O samba surgiu da mistura de ritmos africanos, trazidos pelos escravos da África. No início, por estar ligado à cultura negra, o samba era perseguido e reprimido. Atualmente, cem anos depois do registro do samba Pelo telefone, ainda há resquícios desse preconceito?

O samba é filho da dor Podemos perceber, como uma característica do samba, letras que funcionam como instrumento de protesto contra as mazelas sociais que a população negra sofre em virtude da discriminação racial. O samba torna se um veículo no qual são expostas criticamente as injustiças de que essa população é vítima. Muitos compositores denunciam, em seus sambas, as discriminações raciais a que os(as) negros(as) são freqüentemente sujeitados(as). E a exposição das conseqüências do racismo acontece como uma forma combatê-lo já que, uma das causas da dificuldade no combate reside justamente na característica insidiosa que o racismo possui, se pensarmos no contexto brasileiro. Como exemplo de letras carregadas de crítica social, temos a letra composta por Jorge Aragão e intitulada “Identidade”


Nossa Identidade
Composição Jorge Aragão

Elevador é quase um templo;
Exemplo pra minar teu sono;
Sai desse compromisso;
Não vai ao de serviço;
Se o social tem dono, não vai ;
Quem cede a vez não quer vitória;
Somos herança da memória ;
Temos a cor da noite Filhos de todo açoite ;
Fato real de nossa história ;
Se o preto de alma branca pra você...
É o exemplo da dignidade ...
Não nos ajuda, só nos faz sofrer...
Nem resgata nossa identidade...

Se liga:Nesse samba, percebemos uma busca do fortalecimento da identidade negra

Ao situar o samba como uma forma de resistência e instrumento através do qual a população negra é (re)valorizada, uma vez que ainda sofre com estereótipos que têm um impacto negativo na auto-estima da população negra, pretendemos demonstrar o grande
potencial que o samba possui, principalmente se utilizado em sala de aula, para o fortalecimento da auto estima dos(as)  negros(as), auxiliando, assim, na construção da identidade negra.

Um afro abraço.

Claudia Vitalino.

fonte:ABRAMOWICZ, Anete! SILVÉRIO, Valter Roberto. São Paulo educando pela diferença para a igualdade•' Módulo I. São Paulo: Secretaria do Estado da Educação, 2005. BRASIL. S ecretaria da Educação Continuada, Alfabetização e Diversidade. Educação anti-racista•' caminhos abertos pela Lei F ederal n° 10.639/03. Brasília; Fox Press, 2005. DIRETRIZES C urriculares Nacionais p ara a Educação das Relações Etnico-Raciais e p ara o Ensino de H istória e C ultura Afro-Brasileira e Africana. B rasília. 2004. GUIMARÃES, Eduardo. Os lim ites do sentido■' um estudo histórico e enunciativo da linguagem. Cam pinas: Pontes, 2a edição, 2002.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

NOVEMBRO NEGRO - Escravidão Africana- Pra não esquecer!

A escravidão é o grande sustentáculo do processo de colonização do continente americano, a partir do século XVI. Longe de se ater a uma ...