Somos...

Somos...
Rebele-se Contra o Racismo!

domingo, 30 de abril de 2017

Os Trabalhadores têm motivos para comemorar o 1º de maio? - PRA SENZALA EU NÃO VOLTO NÃO!

Os Trabalhadores têm motivos para comemorar o 1º de maio?
As datas significativas para os trabalhadores geralmente não nascem de um evento feliz da história,
mas representam marcos da luta por melhores condições de trabalho.
"Com o 1º da maio, a situação não é diferente, pois desde 1886 este dia lembra as dezenas de trabalhadores mortos pela repressão policial, daquele país que se considera a maior e melhor democracia do mundo, os Estados Unidos."
Ao olharmos a realidade brasileira, através dos incipientes movimentos operários do início do século XX, o dia do trabalho não perdeu a sua característica de dia de luta e reivindicação por melhores condições de vida, para a classe trabalhadora.
Contudo, a sua incorporação pelo Estado, a partir de 1925, foi gradualmente mudando a natureza do dia do trabalho, que adquiriu uma conotação ambígua: por um lado, Estado, empresas e sindicatos – ideologicamente alinhados com a política governamental – transformaram o 1º de maio em uma festa de natal, com direito a um papai noel vestindo o macacão do trabalhador-modelo de produtividade, distribuindo presentinhos para os filhos dos empregados, sorteando até mesmo carros e apartamentos para os trabalhadores, que certamente não conseguiriam comprá-los com os salários que ganham.

O 1º de Maio tem sido, ao longo dos anos, uma comemoração, um feriado para quem trabalha ou quem está desempregado, um dia de descanso, uma data no calendário de feriadões a mais no ano. Vemos toda uma apologia ao lazer e ao ócio, literalmente um dia em que os empresários, CDL, indústria e demais setores do trabalho fazem desta data uma festa," processo ao longo dos anos teve importante  no enfraquecimento de nossas lutas e pautas"pois o principal objetivo se diluiu ... A começar pela propaganda: “Dia do Trabalho!”. Sindicatos fazem sorteios de carros e prêmios, apresentações artísticas, dentre outros eventos culturais que, segundo eles, visam ao prazer do ofício. O que muita gente não sabe é que a história deste “feriado” condiz com uma batalha constante daqueles que lutavam por melhores condições de vida. Seu nome correto era “Dia do Trabalhador”, mais precisamente: “Dia do Internacionalismo Proletário”. Alguns costumam pensar que aquelas lutas pelos direitos são muito antigas e hoje já estão ultrapassadas para alguns, por isso não há motivos para continuar lembrando de velhas memórias. Será mesmo?

Acredito que não pois esta data marcou definitivamente o que chamamos de" luta de classe", no entanto, esse confronto entre aqueles poucos que têm muito contra aqueles muitos que têm pouco, hoje em dia é cada vez mais atual. Há desigualdade entre categorias, assim como precarização dos trabalhos, desigualdade entre homens e mulheres, trabalho infantil, informalidade, semi-escravidão, altos impostos, aposentadoria individual, déficit de carteiras assinadas, dentre outras carências que o
trabalhador e o desempregado sofrem. Enquanto os políticos passam a reivindicar seus próprios salários, a maioria da população reparte as migalhas dessa riqueza não distribuída. Isso, sem falar das contínuas reformas trabalhistas, com antigos direitos que são definitivamente usurpados pelas novas leis, na chamada “flexibilização”. De fato, se estamos tão longe das discussões abertas e públicas sobre política, estamos mais longe ainda das jornadas de luta pela melhoria salarial e por nossos direitos, que hoje perdemos pouco a pouco. Ter uma carteira assinada hoje é uma vitória! Mais de 15 milhões de pessoas estão inseridas no trabalho informal sem quaisquer assistências e direitos, como férias, vale-alimentação, vale-transporte, 13º salário, etc. Toda cidadã e cidadão tem direito a uma vida de subsistência digna, livre da exploração. Isso é exatamente o que não acontece neste país e no mundo.

Se liga: Os sindicatos e centrais com os pés no chão da realidade, ainda prosseguiram com suas manifestações e protestos, lembrando que o dia do trabalho é um dia de reflexão sobre a vida, a dignidade, a liberdade, a sanidade física e mental de quem trabalha, seja homem, mulher, adolescente, idoso, negr@, branco ou portador de deficiência.

Neste ano, quando um trabalhador ocupa as ruas a expectativa deveria  ser grande, em torno da possibilidade de, finalmente, comemorar as vitórias obtidas pelas lutas passadas e manifestar a esperança de que dias melhores aguardam os trabalhadores no futuro.

Mas, como poderá haver festa no dia 1º de maio, se 11,6% dos convidados estão sem emprego e 2.557 morreram enquanto trabalhavam, só no último ano?    Os trabalhadores, que ainda possuem trabalho, talvez não possam ajudar a custear a festa, com seus salários defasados e os servidores públicos, que obtiveram o avassalador reajuste de 1%, devem estar economizando para o futuro, que neste momento em nosso pais esta insólito quando depois de aposentados ( se conseguir se aposentar caso o pacote do governo ilegitimo seja aprovado sera ainda pior)serão obrigados a continuar contribuindo para a Previdência Social, se a inconstitucional proposta de reforma previdenciária, do governo anterior/atual, for vitoriosa e a indignação diante da injustiça  dever ser continuar a luta por uma vida melhor.

"PRA SENZALA EU NÃO VOLTO NÃO"! - Mesmo com o fim da escravidão, não houve a inserção do negro na sociedade. Foi mantida a lógica de exclusão, sendo os negros responsáveis por posições subalternas, mal remuneradas, no setor de subsistência, nas quais prevalecem ausência de proteção previdenciária e desrespeito aos direitos trabalhistas. Especificamente no mundo do trabalho, mesmo com o fim da escravidão no país, tendo como base agora o trabalho assalariado, não houve a inserção do negro na sociedade. Foi mantida toda a lógica de exclusão existente, sendo os negros responsáveis por posições subalternas, no setor de subsistência e em atividades mal remuneradas, o que mais tarde se denominou como setor informal.

Constatou-se também que as formas de inserção dos trabalhadores negros ocupados ainda são marcadas pela precariedade. Mesmo com o crescimento do emprego mais formalizado, a participação
relativa dos negros é maior nas ocupações nas quais prevalece a ausência da proteção previdenciária e, em geral, os direitos trabalhistas são desrespeitados. Examinando os indicadores do mercado de trabalho, observa-se que, em alguns aspectos, as desigualdades raciais e a discriminação de gênero se cruzam e se potencializam. A situação da mulher negra evidencia essa dupla discriminação. Ao olhar essa distribuição também por gênero, as desigualdades são ampliadas. Adotando como 100% a remuneração média do homem não negro. Em 2014, a mulher não negra recebe 72,3% da remuneração do primeiro. Já o homem negro recebe 71,6% e, por último, a mulher negra recebe 50,5%, metade da remuneração do homem não negro.O trabalho de negros (as) e de mulheres é menos valorizado social e economicamente.

Ao analisar o emprego no ramo metalúrgico, encontramos as mesmas contradições fruto do racismo existente: inseridos em segmentos mais precarizados, recebendo salários menores, mesmo estando nas mesmas posições que os não negros com as maiores taxas de rotatividade. No Brasil em 2014 eram 666 mil metalúrgicos (as) negros (as), representando 28,5% do total desse ramo. A participação do (a) metalúrgico (a) negro (o) é maior no segmento de Outros Materiais de Transporte (que produzem em sua maioria motocicletas, veículos ferroviários e suas partes etc.), com 53,0%, seguido pelo segmento Naval, com 52,3%. Estes dois setores apresentam muitas dificuldades referentes às condições de trabalho, como por exemplo, altos índices de rotatividade e baixas remunerações.

"Os segmentos com menor participação do (a) trabalhador (a) negro (a) são o Aeroespacial, com 12,4%, seguido pelo Automotivo, com 23,8%. Destacando-se que as condições de trabalho nesses dois últimos são inversas aos dois primeiros: eles apresentam os maiores salários e os menores índices de rotatividade do ramo metalúrgico".
Ainda recebemos menores salários que os não negro:   Não me parece menor, e por que não dizer
redundante associar sempre o estratagema “negro”, a qualquer situação de desvalorização, ou de “involução”. É histórico perceber que negras e negros sempre estiveram em situação de desvantagem, e os acontecimentos da Contemporaneidade infelizmente ratificam essa assertiva, a relatora especial das Nações Unidas sobre questões de minorias nos alerta como sempre que “A pobreza tem cor no Brasil", e os negros são os mais ameaçados pela crise econômica do país,ela elogiou as políticas de igualdade adotadas pelo Brasil no governo anterior, mas alertou que essas comunidades "imploram" por resultados imediatos. analisando a inserção produtiva dos negros e negras no Mercado de Trabalho Metropolitano, revelam que a situação econômica da população de trabalhadores negros no contexto recente do processo de estruturação do mercado de trabalho brasileiro passou por melhorias significativas, no entanto não podemos deixar de entender que essa mesma dinâmica expressa nas relações de trabalho, os padrões vigentes das contradições racistas e sexistas da sociedade brasileira.

MANDANDO A REAL - Segundo a PED, o rendimento do contingente de ocupados negros continua bem inferior aos não negros, o rendimento médio por hora recebido pelos negros corresponde a 76,6% dos não negros, outra questão é a distância observada com relação as taxas de desemprego, e ai podemos perceber que as mulheres negras ainda encontram-se em situação de desvantagem, já essas ocupam a maior posição na taxa de desempregados ainda mantendo-se em situação de maior vulnerabilidade em relação ao homem negro.

O que como trabalhadores negr@s percebemos é que o desafios do Movimento Sindical, principalmente daqueles agentes que entendem as contradições internas da relação entre capital e trabalho, relações essas dinamizadas pelo racismo e machismo, é a cada dia tencionar com o patronato mais espaços para inserção de negras e negros, se a “pobreza e o desemprego tem cor” precisamos estrategicamente reverter a condição e a situação de desemprego pela cor. Além disso, é necessário promover sempre em todos os espaços, principalmente em épocas de crise a luta incessante de combate ao racismo.

-Precisamos entender de forma efetiva que a luta de combate ao racismo é a luta de combate ao
desemprego, de combate a crise, de combate ao retrocesso social e político pois a discriminação transforma cidadãos negr@s do Brasil, em cidadãos de segunda classe sendo assim as  vítimas e com  um ônus para essa maioria que fazem parte da  sociedade . So não tira o véu  quem não quer enxergar , sendo assim  precisamos ir para as rua contra esta reforma, porque ela aprofunda desde a sua concepção ainda mais o abismo na relação de trabalho que existe desde a concepção da relação de trabalho entre o trabalhador negr@ e não negro e lutar por medidas que rompam com a apartação racial". Deste jeito  formaremos agentes ativos nos rebelando contra este sistema perpetuado pelo racismo institucionalizado em nosso pais.
Bora pra rua !!!

Um afro abraço.

Claudia Vitalino.
fonte:https://www.publicacoesacademicas.uniceub.br-unegrorj

Nenhum comentário:

Postar um comentário