Somos...

Somos...
Rebele-se Contra o Racismo!

sexta-feira, 24 de março de 2017

A história da abolição da escravatura no Brasil sob o ponto de vista do resto do mundo

Porto Rico
A população atual é o resultado da mistura entre o local elementos dos índios Arawak poucos negros e
espanhóis chegaram a partir do século XVI.

A ilha foi descoberta por Cristóvão Colombo em 1493, durante sua segunda viagem à América, foi chamado de San Juan Bautista e reconhecido possessão espanhola.

Em 1508, um ex-companheiro de Colombo, Ponce de León, recebeu a permissão para explorar a ilha, ele se aproximou da costa norte, nomeou um ancoradouro excelente chamado Puerto Rico. O utilização é estabelecida na ilha, enquanto o seu principal porto tornou-se San Juan.

Porto Rico permaneceram sob domínio espanhol até a Guerra Hispano-Americana, em 1898.

A esperança de encontrar ouro foi rapidamente decepcionado quando tentavam espanhóis, a partir de meados do século XVI, promover culturas tropicais, incluindo cana-de-açúcar. Mas o trabalho era escasso e ineficiente feito periodicamente pelos índios de ilhas vizinhas, de modo que, na época, os espanhóis decidiram fazer Puerto Rico uma base militar e construiu a fortaleza de El Morro para proteger o porto de San Juan.

Porto Rico foi a questão da ganância Inglesa sucessiva (Francis Drake tentou aproveitar San Juan, em 1595, sem sucesso), os holandeses, também falharam em 1625.

Todas essas lutas dificultaram o seu desenvolvimento econômico: sua população foi estimada em menos de 50.000 habitantes em 1765.

No final do século XVIII, as reformas despotismo esclarecido serviram de inspiração para estimular o cultivo de cana-de-açúcar e do café.

Foram importados do trabalho escravo, e os colonos vieram das ilhas do continente e de outro lado do Caribe.

Espanha, Cuba e Porto Rico
Agustín Argüelles e José Miguel Guridi apresentaram às Cortes de Cádis uma proposta abolicionista a 1 de
abril de 1811, sem sucesso. A 13 de agosto de 1813, o deputado Isidoro de Antillano y Marzo faz uma nova proposição, mas sem eficácia (foi mesmo objeto de um atentado que quase acaba com a sua vida). AConstituição de Cádis pôs especial cuidado em distinguir as condições de "espanhol", "homem livre", "avizinhado", "liberto" (artigo 5), "cidadão espanhol" e "servente doméstico" (artigo 25.3), estabelecendo requisitos especiais para a obtenção da cidadania para os "originários da África" (artigo 22).

José María Blanco White criticou a escravidão em Bosquejo de comercio de esclavos y reflexiones sobre este tráfico considerado moral, política y cristianamente(Londres, 1814).As guerras da Revolução e do Império, marcados por uma tentativa abortada do inglese para aproveitar a ilha, teve, entre outras conseqüências, atrair os colonos franceses da Louisiana e no Haiti. A população triplicou entre 1750 e 1800.
Cuba e Porto Rico eram as últimas colônias espanholas na América, e nelas a escravidão tinha um peso econômico decisivo. A posição internacional de Inglaterra contra o tráfego de escravos impedia um fácil abastecimento. O caso do barco Amistad cujos escravos se rebelaram, e que foi conduzido para os Estados Unidos, ocasionou um conflito jurídico e diplomático (sobre o assunto fez-se um filme de Steven Spielberg, 1997). As sucessivas sublevações em Cuba do último terço do século XIX, até a Guerra de Independência Cubana de 1895-1898, tiveram como uma das suas causas as polêmicas entre escravidão e abolicionismo.

A pressão internacional promoveu leis contrárias ao comércio de escravos em 1817 (em troca de um
pagamento por Inglaterra de 400 000 libras como compensação), 1835 e 1845. A reiteração das leis era prova da sua ineficácia. Em 1837, foi promulgada a abolição da escravidão no território metropolitano, mas não nos territórios de ultramar, onde a presença de escravos era realmente significativa, demográfica e economicamente.

Cronologia
Até o século 15: os Tainos habitam a ilha.

1493: Cristóvão Colombo desembarcou na ilha.

1508: a colonização espanhola do território começar.

1510: Revolta dos Tainos.

1521: tornou-se a ilha de Porto Rico.

1873: Abolição da Escravatura.

1897: Porto Rico ganhou sua independência.

1898: incidente naval entre os Estados Unidos e Espanha. Guerra eclodiu em julho. O Tratado de Paris
terminou a guerra, Porto Rico ficou sob o controle dos EUA.

1900: Porto Rico torna-se território dos EUA.

1917: A população obteve a cidadania americana.

1950 – 1954: onda de emigração para os Estados Unidos.

1952: A ilha obtém o status de um estado livre associado aos Estados Unidos.

Um afro abraço.
Claudia Vitalino
Fonte: colegiosaofrancisco.com.br


"Abolition of the Slave Trade Act" que determinou o fim do tráfico negreiro no Império Britânico em 1807.
Porto Rico - A população atual é o resultado da mistura entre o local elementos dos índios Arawak poucos negros e espanhóis chegaram a partir do século XVI.


A ilha foi descoberta por Cristóvão Colombo em 1493, durante sua segunda viagem à América, foi chamado de San Juan Bautista e reconhecido possessão espanhola.

Em 1508, um ex-companheiro de Colombo, Ponce de León, recebeu a permissão para explorar a ilha, ele se aproximou da costa norte, nomeou um ancoradouro excelente chamado Puerto Rico. O utilização é estabelecida na ilha, enquanto o seu principal porto tornou-se San Juan.



A história do movimento abolicionista, principalmente na Grã Bretanha, é interessante.

Um dos poucos casos da história que um negócio lucrativo foi proibido por questões morais e a primeira vez que as mulheres participaram ativamente de um movimento social.

orto Rico permaneceram sob domínio espanhol até a Guerra Hispano-Americana, em 1898.

A esperança de encontrar ouro foi rapidamente decepcionado quando tentavam espanhóis, a partir de meados do século XVI, promover culturas tropicais, incluindo cana-de-açúcar. Mas o trabalho era escasso e ineficiente feito periodicamente pelos índios de ilhas vizinhas, de modo que, na época, os espanhóis decidiram fazer Puerto Rico uma base militar e construiu a fortaleza de El Morro para proteger o porto de San Juan.

Porto Rico foi a questão da ganância Inglesa sucessiva (Francis Drake tentou aproveitar San Juan, em 1595, sem sucesso), os holandeses, também falharam em 1625.

Todas essas lutas dificultaram o seu desenvolvimento econômico: sua população foi estimada em menos de 50.000 habitantes em 1765.

No final do século XVIII, as reformas despotismo esclarecido serviram de inspiração para estimular o cultivo de cana-de-açúcar e do café.

Foram importados do trabalho escravo, e os colonos vieram das ilhas do continente e de outro lado do Caribe.

As guerras da Revolução e do Império, marcados por uma tentativa abortada do inglese para aproveitar a ilha, teve, entre outras conseqüências, atrair os colonos franceses da Louisiana e no Haiti. A população triplicou entre 1750 e 1800.

Não damos crédito por aqui para muita gente que lutou durante anos para acabar com a escravidão.

IMHO, a história da abolição da escravatura, precisa ser reescrita aqui no Brasil. Ou, no mínimo, colocada dentro de um contexto internacional.

Muitos fatos sobre uma das mais vergonhosas manchas na nossa história continuam até hoje sendo empurrados para debaixo do tapete aqui no Brasil.

Quase ninguém sabe que fomos o último país das Américas a acabar com essa vergonha e os recordistas mundiais do tráfico escravos africanos, cerca de 3,6 milhões de pessoas compradas entre os séculos XVI e XIX, de acordo com o Memory of the World da Unesco(link is externa

Nenhum comentário:

Postar um comentário