Somos...

Somos...
Rebele-se Contra o Racismo!

domingo, 31 de março de 2013

O ethos da sociedade matrilinear:O sistema matrilinear caracteriza as sociedades africanas desde tempos imemoriais.

A África tem sido palco de alguns dos maiores avanços tecnológicos da história, entre eles a prática agrícola, criação de gado, mineração e metalurgia (do cobre, do bronze, do ferro, do aço), o comércio, a escrita, a arquitetura e engenharia na construção de grandes centros urbanos, a sofisticação da organização política, a prática da medicina e o avanço do conhecimento e da reflexão intelectual. Foi também centro do desenvolvimento de civilizações, uma das mais avançadas da experiência humana. Entretanto, a imagem de seus povos como não construtores do conhecimento ou da tecnologia, complementada pela idéia de suas civilizações como “importadas” ou erigidas por povos estrangeiros, ainda molda o conceito comum da África como um continente sem história. Apenas muito recentemente, há o reconhecimento de uma África histórica repleta de grandes realizações.
Ao abordar a história africana, é preciso ampliar a perspectiva para muito além dos últimos quinhentos anos, que constituem apenas uma minúscula parte dessa história. Aliás, o ufanismo em torno da expansão européia quinhentista tende a distorcer nossa visão histórica em geral, reduzindo o mundo antigo a um imobilismo primitivo que não o caracterizava. Os povos antigos, até mesmo africanos, navegavam os mares à procura da rota para as Índias, milênios antes das caravelas portuguesas e espanholas. Os egípcios construíam navios de grande porte desde o terceiro milênio a.C., e há indícios de que enviavam frotas até à Irlanda à procura de estanho para fazer o bronze. O mundo antigo caracterizava-se por ativo comércio e intercâmbio cultural entre a África, a Europa, Sumer e Elam, a Índia, a China e Ásia oriental, e provavelmente as Américas.



O Egito, junto com a Índia, é um país de cultura e história fascinantes. Aproximadamente, 3000 anos antes do nascimento de Cristo, os egípcios alcançaram um elevado estágio de civilização.
Eles tinham o governo central organizado; seu comércio era voltado para as cidades que margeavam o Nilo; construíam grandes estruturas de pedra; e, o mais importante, dominavam a arte de escrever.
Ao longo do Nilo podem ser vistos majestosos monumentos que revela as realizações do Antigo Egito, sendo a maioria tumbas e templo. Os antigos egípcios eram muito religiosos e acreditavam no princípio de uma vida após a morte para reis e nobres, desde que seus corpos pudessem ser preservados (esse é o principal motivo do embalsamamento)
Os antigos egípcios dividiram sua terra em duas partes, o Alto Egito e o Baixo Egito. Alto e baixo não se referem a norte e sul; esses termos relacionam-se ao curso do Nilo e a elevação da terra. O Alto Egito é a região sul e tem esse nome porque está mais perto da nascente do Nilo, ou rio acima, e, portanto, em terreno mais alto. O Baixo Egito consiste basicamente na região do delta do Nilo e leva esse nome porque está mais distante da nascente, ou rio abaixo.essa área também está mais próxima do nível do mar do que o Alto Egito.

O ethos da sociedade matrilinear
O sistema matrilinear caracteriza as sociedades africanas desde tempos imemoriais. Trata-se de um sistema de partilha de direitos e responsabilidades em que a mulher desempenha importantes funções e goza de direitos sociais, econômicos, políticos e espirituais. Seu papel era marcante na sucessão real, na herança de bens materiais, e no exercício do poder político. Ki-Zerbo observa (1980, p. 755) que o parentesco uterino parece ter saído das profundezas da pré-história africana, do momento em que a sedentarização do neolítico tinha exaltado as funções domésticas da mulher, a ponto de torná-la o elemento central do corpo social. O profundo impacto dos sistemas patriarcais do islamismo e do colonialismo europeu que introduziram novos esquemas de organização social e de exercício do poder não conseguiu eliminar do ethos social africano o legado dessa milenar proeminência da tradição matrilinear.
São vários os exemplos de mulheres soberanas no Egito. Em Núbia, a linhagem das rainhas Kentakes reinou durante seiscentos anos por direito próprio e não na qualidade de esposas, à frente da adminstração civil e militar.
Angola nos dá o exemplo da Rainha N’Zinga, Gana o de Asantewaa, e assim por diante: a história da África é repleta de rainhas estadistas e guerreiras. Cumpre observar que o sistema matrilinear foi associado ao suposto atraso africano por antropólogos convencidos da superioridade da cultura ocidental. O patriarcalismo seria, para tais cientistas, um dos fatores que fez da civilização européia o estágio mais avançado de um suposto progresso universal dos povos – modelo a ser almejado pelos primitivos.
Cheikh Anta Diop, autor de estudos aprofundados sobre o tema, indaga qual a civilização mais avançada: a que nega à metade da população sua plena condição humana, ou aquela que reconhece e estimula nos cidadãos de ambos os sexos a capacidade de realização pessoal e participação na vida coletiva? Que o digam as sociedades ocidentais modernas ao sofrer profundas pressões e modificações sociais, políticas e econômicas oriundas da falência do patriarcalismo. O “último estágio” do desenvolvimento humano vai cedendo, e o modelo das sociedades africanas matrilineares oferece exemplos para orientar esse movimento.

A Historia da  Rainha Núbia do Egito (1415 – 1340 A.C)

Ao sul do Egito, Núbia – rica em ouro, ébano e cultura humana – acompanhou as mais longínquas origens da cultura egípcia. Lá floresceu o império de Cush, com capital em Napata, cujos dirigentes lideraram o próprio Egito durante o período da 25ª dinastia (c. 750 a 660 a.C.). Mais tarde, o centro cushita deslocase para Méroe, de onde supõe-se que a tecnologia do ferro se espalha para o sul e o ocidente da África. De aproximadamente 200 a.C. até o quarto século da era cristã – em um período em que o Egito já se encontrava sob o domínio macedônio e romano – o Império Meroítico de Cush tinha sua própria escrita, construía grandes centros urbanos com templos e pirâmides, manufaturava metais e ingajava-se em um ativo comércio internacional com países remotos como a Índia e a China.

No 14º século A.C., uma mulher sábia e bonita de Nubia capturou o coração do faraó, e assim ela mudou o curso da história. Amenhotep III, jovem dirigente egípcio, foi tão levado pela beleza, intelecto e vontade de Tiye, que ele desafiou os sacerdotes e os costumes de sua nação, proclamando esta cidadã de Nubia como sua grande Cônjuge Real. Ele expressou publicamente de várias maneiras seu amor por sua linda rainha negra, fazendo dela uma pessoa célebre e rica em seus próprios direitos. Ele tomava vários conselhos dela em assuntos políticos e militares e depois declarou que, como ele tinha a tratado em vida, assim ela deveria ser descrita na morte, a sua igualdade.

Um afro abraço.
UNEGRO 25 ANOS DE LUTA...
REBELE-SE CONTRA O RACISMO!
fonte:www.coljxxiii.com.br/webquest/pauliceiaantenada.blogspot.com/

Nenhum comentário:

Postar um comentário