Somos...

Somos...
Rebele-se Contra o Racismo!

sexta-feira, 24 de junho de 2011

Mandinga de Angola


Angola



por:Aristoteles Kandimba




A maioria de nós, especificamente na diáspora africana, relacionamos a palavra MANDINGA com a África Ocidental. Provavelmente vindo dos povos MANDINKA, descendentes do Imperio do Mali (1230- 1600).



No Brasil conheci a palavra bem mais para o lado da mágia...


“Capoeira Angola, mandinga de escravo em ânsia de liberdade, seu princípio não tem método e seu fim é inconcebível ao mais sábio capoeirista”. Descreveu o grande mestre Pastinha (1889 -1981).


No sudeste do México, onde se encontram uma das únicas comunidades de descendência africana chamadas de Palanques (Quilombos), existe uma pequena aldeia chamada Mandinga.


Sei que em Cuba se usa a expressão Kikiribu Mandinga!


Referente aos povos do Senegal, Gâmbia e Sudão.


Os Afro Uruguaianos “cosa de mandinga” quando não se encontra uma explicacão lógica para algo.


Os Afro-Peruvianos contribuiram com “quem não tem ginga não tem mandinga”.


E por fim, o povo de Porto Rico se orgulha em exclamar “El que no tiene Dinga tiene Mandinga”, ou melhor, quem não vem dos Dinkas vem dos Mandinkas.


Abro mais um capítulo sobre os contos dos sekulus la’ do kimbo (mais velhos/idioma umbundu), acreditando abrir uma nova porta para novas pesquisas.




Na província do Bailundu, planalto central de Angola, o jovem Jamba (na cultura tradicional do povo ovimbundu, os gêmeos eram sempre nomeados de Jamba e Hosi...O Elefante e o Leão), foi ocasionalmente o centro de grandes gargalhadas nos momentos em que se juntavam os batuqueiros respeitados e faziam o céu e a terra estremecer com os seus ngomas.


O Jamba suava e insistia!


Entre ngomas e sangomas (o grande tocador), destacava-se o MANDINGA. Tambor de dupla face, adornado com simbolos spirituais, tradicionais e rostos de reis e rainhas da região.


Denominado de Likembe em kikongo e Kisanji em Kimbundu.


O nosso mandinga de Angola não servia só para entretenimento, mas também como ponte entre o mundo físico e mágico.


Durante as cerimônias de cura, os terapeutas usavam a música de instrumentos para tratar a doença. Acreditava-se que os seus sons penetrantes ajudariam a impulsionar as forças nocivas que causavam as doenças.


Da mesma forma, os curandeiros tocavam música cerimonial para que as pessoas saudáveis não adoecessem.


Seja qual for a origem da palavra “MANDINGA” , o tambor Mandinga era meditaçao e o jovem Jamba era a formiga da ocasião.

Nenhum comentário:

Postar um comentário